Arte, Cultura, Ideologia, Música, Política, Racismo

A panela, o prato e a hipocrisia programada – parte 2

Com a marcha fascista em pleno curso, é preciso se ater a certos detalhes pra compreender a lógica do esquema. As panelas baratas que soavam sem ritmo nenhum pra derrubar umA PresidentA não lograram êxito pra derrubar UM presidentE. Entretanto, um prato, usado com ritmo perfeito e altamente refinado, escancara a hipocrisia e a falta de cultura da gente batedora de panelas.

Caetano Veloso fez a sua live, junto com os filhos. Quem já teve oportunidade de ver ao vivo Caetano e os Filhos sabe que essa é uma experiência inesquecível. Pois um sujeito lá, que eu não sei quem é, achou que o prato e faca que Moreno usou de forma magistral, na melhor tradição dos sambas dos bambas, era algo inusitado e cômico e tratou o caso como uma improvisação pela falta de instrumentos. O texto da infeliz e ignorante observação é:

“um dos momentos mais inusitados e cômicos aconteceu em ‘Pardo’, quando Moreno Veloso, na falta de instrumentos, usou um prato e um talher para fazer o som. Quem sabe faz ao vivo, não é?”.

O sujeito que escreveu isso ainda se valeu de uma referência ao “glorioso” Fausto Silva, que quando quer puxar o saco de algum/a artista que se apresenta no programa solta esta bobagem: “quem sabe faz ao vivo”.

Caetano desvelou a imbecilidade do comentário, que tratou como ignorância inacreditável: https://www.blogdoarcanjo.com/2020/08/12/ignorancia-inacreditavel-diz-caetano-de-artigo-da-rolling-stone-sobre-sua-live/. Foi elegante, porque ignorância é desconhecimento e o que está por trás disso vai além de desconhecimento, embora também o seja.

A Rolling Stone, que é uma das mais conceituadas revistas de música do mundo, se retratou: https://rollingstone.uol.com.br/noticia/6-melhores-momentos-da-live-de-caetano-veloso-bronca-nos-filhos-tributo-moraes-moreira-e-mais/

Mas o que está nas entrelinhas do comentário qualificado pelo Caetano como de inaceitável ignorância e qual a relação disso com as panelas?

O próprio Caetano tratou de contextualizar as coisas e trazer um pouco de conhecimento ao comentador engraçadinho e espirituoso, mostrando que prato e faca é um instrumento ligado às raízes da música brasileira. Neste documentário https://www.youtube.com/watch?v=ZXJEMg5vT40 é possível ver, entre outras maravilhas, o grande João da Baiana, tocando prato e faca, acompanhado por um violonista, um certo Baden Powell. Se alguém ver comédia nisso, o caso não tem mais solução…

A música brasileira tem raízes fincadas no lado de lá do Atlântico, em terras africanas, e tendo isso em mente começa a se tornar um pouco mais clara a relação entre o comentário da Rolling Stone e a história racista que acompanha a formação e a evolução do nosso país, particularmente no que diz respeito à involução dos últimos anos. Vamos esmiuçar um pouco mais essa coisa, esse racismo brasileiro, que por ser estrutural é absorvido e normalizado, fazendo com que se torne velado.

O Chico César, grande compositor, cantor, ativista, de forma genial criou um samba, cheio de sutilezas:

nasceu pra lavar prato e está tocando prato na tv
edite o prato

o prato não pode aparecer
nunca no sentido estrito
menos ainda no sentido lato
isso é coisa do brasil mulato
que a gente quer esconder
edite o prato
o prato não pode aparecer
o prato batucando vazio
é a metáfora do brasil
da incessante fome e o cio
que bota tudo a perder
edite o prato
o prato não pode aparecer

Reparem na diferença: o Chico César faz um trocadilho com a Dona Edith do Prato, conterrânea de Caetano, que gravou com ele no experimental (e fenomenal) Araçá Azul, de 1973, já dividiu o palco do Teatro Castro Alves com o próprio Caetano, Chico Buarque, MPB4, e era uma monumental tocadora de prato e faca. (Aqui a maravilhosa Mariene de Castro fala nela e explica a técnica que ela usava pra preparar o INSTRUMENTO prato e faca: https://www.youtube.com/watch?v=d1F2RPoAC3c.) E o cara da Rolling Stone citou… o Faustão. É, Raulzito, falta cultura pra cuspir na estrutura…

Mas por que o prato tem que ser “editado”? Simples, porque ele representa o Brasil Mulato. E o que é esse Brasil Mulato? Será que o Chico César não sabe que o termo mulato é pejorativo, que tenta associar um determinado ser humano a um animal híbrido, resultado do cruzamento “artificial” do asno com a égua? Garanto que sabe. E justamente por saber é que ele falou em Brasil Mulato e não em Brasil Negro. Por que o Brasil Negro é um país que se quer apagar (ou branquear), que não pega bem lá fora, então fica melhor dizer mulato, que tem a ver com a democracia racial, com a convivência pacífica, harmoniosa e amorosa das raças que formaram este Brasil brasileiro, mulato inzoneiro. O que o Chico usou de forma irônica e como uma sutil figura de linguagem escancara um recurso ideológico que sustenta desde os primórdios do século 20 o racismo que estrutura a nossa sociedade. Ora, se a gente diz que o Brasil é um país mulato e a gente sabe que a mula é a cruza de dois bichos diferentes, de raça pura, mas capazes de se misturar a ponto de gerar um outro ser, isso mostra que o povo brasileiro também é a cruza de “bichos” diferentes, mas que se amam, se cruzam e geram um outro “bicho”, que não é puro, mas que simboliza a união das raças, que, no fim das contas, não tem raça nenhuma (raça humana, lembram?). Não é isso que nós queremos? Mostrar que no Brasil não há discriminação de cor nem de raça? Que somos formados por essa mistura linda de gentes diferentes? Então este é um país mulato. E o Chico César, negro que é, conhece essa retórica, claro que conhece. E sabe que ela é mentirosa. E com a sua genialidade transformou isso num “sambinha despretensioso”, tocado provavelmente no quintal de casa, sem camisa, entre pessoas amigas: https://www.facebook.com/marcelodalcom/videos/10223435963995742

Está posto, então, o paradoxo brasileiro. Ou melhor, um deles. O mesmo país que usa panelas pra derrubar uma Presidenta, mulher, e que é incapaz de fazer o mesmo com um Presidente, homem, afirma publicamente que um cara toca prato e garfo em rede mundial pra criar um efeito cômico na live (ou porque a produção não providenciou instrumentos adequados). E antes que alguém diga que um infeliz comentário de uma única pessoa não pode representar o pensamento de uma nação, lembro que a hipocrisia se programa e é programada.

*Imagem de destaque copiada do site http://pitayacultural.com.br/musica/o-prato-a-faca-e-os-ingredientes-desconhecidos/, consultado em 3/9/2020.

Padrão
Cultura, Republicados, Televisão

Iconoclastia, que bicho é esse? – Ou: A hipocrisia da alta cultura nacional*

Houve um tempo, logo no início, lá no canal do Sílvio Santos, que o programa do Jô Soares era transmitido ao vivo. Depois, quando ele foi pra rede bobo, os caras, que não são burros, devem ter percebido que se mantivessem assim logo logo a “intelectualidade superior” do Gordo seria desmascarada. Editando o programa antes de ir ao ar fica mais fácil. A título de curiosidade, o funcionamento do programa hoje é mais ou menos assim: 1- a produção escolhe o entrevistado e o tema e submete ao Jô; 2- ele prepara as perguntas de acordo com o que permita que ele venda o cachorro da sua “grande” inteligência e cultura; 3- a produção envia o roteiro para o entrevistado, que, se aceitar, se compromete, informalmente, por óbvio, com o roteiro; 4- a entrevista é gravada e passa primeiro pela edição da produção e depois pela revisão do Jô, pra que fique bem determinado o que vai ou não ao ar.

Bueno, eu gostava dos personagens e dos programas humorísticos do Jô, embora o Chico sempre tenha sido muito mais inteligente. Quando o Gordo virou entrevistador, nos primeiros momentos tinha coisas legais, mas logo em seguida a coisa degringolou e eu passei a ver cada vez menos, culminando com o abandono total de hoje. A gota d’água foi uma entrevista que ele fez, já no plim-plim, com um “produtor cultural” que trazia ao Brasil um espetáculo de pigmeus. Já me invoquei com a natureza do show, que apresentava os pigmeus como uma coisa exótica, tipo atração de circo. A coisa toda girava toda em torno das danças e das músicas típicas deles, tidas como primitivas (Mãe, perdoa-os…). Pois o cretino do Gordo disse tanta bobagem, vomitando uma erudição que nem de almanaque pode ser chamada, que eu peguei nojo dele e do programa.

Sempre gostei de algumas coisas “esquisitas” na música e os sons africanos e orientais sempre me encantaram. Não conhecia quase nada da cultura dos pigmeus, mas já tinha lido, e só lido, porque na época não tinha internet, alguma coisa sobre a música dos povos africanos, asiáticos etc. E tinha bastante vontade de conhecer mais. O pouco que eu já sabia, porém, me permitiu reconhecer o festival de asneiras que o Gordo estava dizendo e a sacanagem do tal produtor, que queria só ganhar uma grana em cima da curiosidade que aquele grupo de SERES HUMANOS certamente despertaria nas audiências imbecilizadas pela grande mídia cultural, que em todos os tempos sempre impediu o acesso amplo, geral e irrestrito ao conhecimento, reservando este às castas superiores, por sua vez determinadas por interesses nada transparentes.

A partir desse episódio, comecei a questionar muito a “intelectualidade” do Jô e isso sempre provoca arrepios na “classe”, porque mexer com certos ídolos, como já falei outras vezes é muito arriscado. No mínimo tu vai ser chamado de invejoso, inculto, ignorante etc., etc., etc.

Eu quero retomar um assunto que já abordei por aqui, que é a maldita deusificação de certas figurinhas carimbadas da cultura nacional, tipo… o Gordo. É moeda corrente que o Jô Soares é praticamente um gênio (morou na Suíça, fala várias línguas, escreve, dirige teatro, toca trompete – há controvérsias – entende de vinhos etc. etc. etc.). Claro que ele tem seus méritos, e eu não quero contestá-los. Mas esses méritos estão longe de ser os que a maioria identifica. O problema é que pouca gente quer assumir o risco de falar mal de um cara desses. Mas quando alguém tem essa coragem… Vejam isto (está emhttp://e-proinfo.mec.gov.br/eproinfo/blog/preconceito/a-ideia-absurda-de-linguas-primitivas-i.html ): O linguista Sírio Possenti relata, por exemplo, numa de suas crônicas, um episódio ocorrido no programa de entrevistas de Jô Soares na televisão: Um dia desses, os entrevistados eram Martinho da Vila e o presidente de uma associação de magistrados. […] A conversa com Martinho ia bem, até que Jô perguntou sobre seu conhecimento de línguas africanas, já que de alguns dos discos de Martinho participam músicos angolanos cantando músicas nativas. Martinho disse o óbvio: que, tendo estado na África várias vezes, mesmo em temporadas curtas, aprendeu um pouco. Não conhece as línguas, mas se vira (e acrescentou que o mesmo ocorre com relação ao francês, o que mostra que ele é normal). Mas Jô o interrompeu para comentar que se pode aprender as línguas africanas, mesmo em pequenas temporadas, porque elas têm poucas palavras. E botou para funcionar suas leituras de almanaque. Informou que em suaíli as palavras querem dizer muitas coisas. E deu como exemplo certa palavra que pode ser empregada em várias situações. Decidi dormir, perdi a entrevista com o magistrado. Achei que não suportaria uma lição de direito constitucional do mesmo nível. Disse que Jô acionou suas leituras de almanaque, mas a coisa é mais grave do que isso: trata-se de grosseiro preconceito linguístico e cultural. Se a gente abre um dicionário […], a coisa mais interessante que se pode descobrir é que todas as palavras têm muitos sentidos, que todas as línguas são como o suaíli, ou o suaíli é como todas as línguas.”

Mas tem mais coisa. No livro “Raul Seixas por ele mesmo” (Coleção “O autor por ele mesmo”, editora Martin Claret), na página 171 (sugestivo, não?!) o Marcelo Nova responde assim a uma pergunta dentro do contexto de rebeldia rock’n’roll, aceitação na mídia, politicamente correto etc.: “Eu e o Raulzito estávamos absolutamente desiludidos com este país. Por exemplo, nós fomos fazer uma entrevista no Jô Soares Onze e Meia fui censurado pelo sr. Jô Soares porque citei nomes de pessoas da Rede Globo que queriam acabar com o Camisa de Vênus. Hoje o Camisa de Vênus é uma banda extinta [a entrevista é do começo dos anos 90], mas naquela época, a gente estava dando um ponta-pé na canela de um esquema que não estava habituado a levar sequer um beliscão. E a gente quem era? Cinco baianos que foram de ônibus da Viação São Geraldo para São Paulo e comiam sanduíche no almoço! Eu falei na entrevista que o Camisa de Vênus era um nome proibido, que foi proposta a mudança do nome da banda, que o sr. Heleno de Oliveira e o sr. João Araújo decidiram tirar o nosso disco de catálogo e nos mandaram embora, e o sr. Jô Soares me censurou. Essa parte não foi para a edição final. Então, eu pergunto: como é que um cara que faz esse papel de liberal vem me censurar? Este é um país assim, em que a pessoas posam de liberais, mas censuram.”

Então, como diria o Raulzito, falta cultura pra cuspir na estrutura.

*Publicado originalmente no blog Na Cidade de Cabeça pra Baixo, em 2/5/2013.

Padrão
Cultura, História, Música, Republicados

Podem sacudir as joias*

Hoje é Dia Mundial do Rock e me deu vontade escrever alguma coisa sobre isso. Pensei em falar sobre a história do rock, desde os spirituals, no século XIX, mas desisti porque tem gente muito mais habilitada pra isso. Mas, pensando bem, se for assim não falo mais de nada, porque sempre vai ter (muita) gente mais habilitada que eu pra falar sobre qualquer assunto. Mas falar o quê?

Já quase desistindo da ideia, meio que por falta de assunto, meio que por falta de paciência, eis que lembrei de um programa que eu ouvia antigamente pra manter o nível de irritação elevado, quando os caras largam a maravilhosa balada Angie, dos Stones, a fim de homenagear o dia do rock. Aí um “intelectual” do Continente de São Pedro larga algumas pérolas como estas: “Essa sim é a maior banda de rock de todos os tempos. O rock maldito, transgressor, nada daqueles engravatadinhos bem comportados dos Beatles. O Stones são o Raul Seixas e os Beatles são a Cely Campello.” Quando um cara que tem doutorado na Sorbonne – é o caso do sujeito em questão – dispara uma metralhadora de balas molhadas assim, de manhã cedo, sem cuspe, é que a gente vê o que a Academia pode fazer com determinadas áreas não exercitadas do cérebro humano. Aliás, o próprio Raulzito já provou isso, quando passou em dois vestibulares no mesmo ano só pra poder dizer pro sogro caretão: “Viu como é fácil ser burro?” Eu ainda tenho esperança que o cara esse tenha dito essas bobagens só pra honrar a trajetória polemista e manter a fama de mau. Se bem que… um sujeito que trabalha na rede do pastor não deve ser tão malvado assim…

Pra começo de conversa, se o Dr… tivesse uma pequena noção do assunto que estava abordando, saberia que o Raul tinha os Beatles como uma grande influência, ao lado do Elvis e do Chuck Berry (vejam a versão que ele fez de “Lucy in the sky with diamonds” no “Raulzito e os Panteras”) e que ele pouco ou nunca na vida falou nos Stones. Acho até que gostava dos RS, é bem provável, mas tem uma outra frase dele que ficou famosa e que diz assim: “os Beatles me deram a porrada”, referindo-se ao fato de ter aprendido com os Beatles como fazer as coisas no estúdio (lembro que o Raul produziu e compôs pra muita gente nos 70’s – Jerry Adriani e Leno e Lílian, por exemplo). Ou seja, ele era fã declarado dos Beatles, mas se curtia os Stones, não compartilhava…

Os Stones são uma puta banda de rock, sem dúvida nenhuma uma das melhores. O Keith Richards é provavelmente o maior criador de riffs da história da guitarra elétrica. O Mick Jagger canta muito e tem uma performance de palco única e espetacular. Os caras fizeram desde rocks incendiários, como Satisfaction, até baladas lindíssimas, como a já citada Angie. Quebraram tudo, muitas vezes literalmente, em shows antológicos. Estão na estrada há meio século, o que não é pouco, mesmo que seja só por $$$, como dizem as (nem tão) más línguas. Tudo isso e muito mais é verdade.  Mas e os Beatles? Os Beatles? Bom, os Beatles, eles…

MUDARAM O MUNDO!

Sim senhores, daqui a 1.000 anos alguém falará em Bach, Beethoven e Mozart, em John Coltrane, em Jimi Hendrix, em mais um que outro, e falará, ou melhor, ouvirá muito Ringo/John/George/Paul. Talvez alguém esteja se perguntando de onde eu tiro isso, se as musiquinhas não são mais do que um iê-iê-iê gostosinho (vão tirar satisfações da notável escritora Martha Medeiros, porque foi ela que disse isso há alguns anos), se as letras só contam historinhas de amor, se o Ringo nem toca muito bem (santa ignorância, batimão), enfim, se eles nunca fizeram um rock sujo, visceral, transgressor como os Stones? Essas atrocidades são ouvidas por aí, podem acreditar, e de “gente grande”.

Nos anos 60, a indústria fonográfica estava a milhão. As gravadoras tinham um esquema bem definido. Tinham funcionários responsáveis pelos diversos setores de criação de um disco. Havia os músicos de estúdio (ah, os baixistas da Motown…), os compositores, os letristas, os arranjadores, o artista que fazia as capas etc. Quando os executivos encontravam um talento, enquadravam o cara e trabalhavam no sucesso. Imaginem, então, o que passou pelas cabeças dos donos das gravadoras quando eles viram chegar um grupo de piás, dizendo que eles mesmos iam fazer as suas músicas, letras, melodias, harmonias, arranjos; eles mesmos iam tocar os seus instrumentos, cantar, enfim, eles iam ser uma banda, no melhor sentido do termo. O troço era tão louco que a Decca dispensou os Fab Four!

Bom, só a provocação dessa mudança no padrão já seria suficiente para deixar os Beatles eternamente no Olimpo do rock. Mas eles fizeram muito mais. Eles lançaram um Rubber Soul em 65, que mudou tudo e ainda dá uns nozinhos na cabeça de muito entendido por aí. Em 66, eles lançaram o Revolver e se retiraram do palco, outra coisa que ninguém pensaria em fazer. Aliás, nem hoje em dia uma banda abre mão de sair em turnê pra lançar um disco, ou, como o disco parece estar com os dias contados (será?), pra divulgar a própria banda. É preciso ter muita bala na agulha pra fazer isso. A partir daí veio toda a história da psicodelia, das letras nonsense, da capa do Sargent Peppers , do próprio Sargent Peppers, dos orientalismos Georgianos, da capa do Abbey Road (mas afinal, o Paul morreu mesmo?), do Phil Spector e sua Wall of Sound produzindo o Let it Be, e por aí afora.

Sobre a falta de um comportamento mais radical, o que pode ser mais transgressor que um cara encarar a realeza britânica num teatro e dizer mais ou menos assim: “O pessoal desses lugares mais baratos pode aplaudir, os demais podem apenas sacudir as joias.” E que tal fazer um concerto de despedida sem avisar ninguém, no terraço da gravadora? Transgressão musical? Botem lá no google: tomorrow never knows e depois me contem o que os caras dos 60’s (não) entenderam.

Bah, eu podia escrever um livro explicando os motivos por que eu digo e redigo que os Beatles são definitivamente os caras. Então vou só reafirmar a ideia que expressei antes: Rolling Stones é uma das maiores bandas de rock de todos os tempos, e merecem todas as homenagens no Dia do Rock, mas OS BEATLES MUDARAM O MUNDO.

Ah, e pra quem acha que acha que o Ringo toca pouco, abram um pouquinho mais as orelhinhas e escutem com alguma atenção a batida de Come Togheter ou de Helter Skelter. Se continuarem com essa opinião, podem continuar achando o Neil Peart o melhor do mundo…

Publicado originalmente no blog Na Cidade de Cabeça pra Baixo, em 13/7/2012.

Padrão