Imprensa, Jornalismo, Mídia, RBS, Republicados

Mercado padrão Mercado*

Não vou falar da minha relação com o Mercado, deixo isso pra outra hora. Quero falar, mais uma vez, da podridão que é essa rede bosta sul. No sábado, uma querida amiga me ligou pra dizer que o Mercado estava pegando fogo. A tv cão (nada contra os queridos cãezinhos) era a única a transmitir. Botamos lá. Bueno, é o fim do Mercado, foi o que pensamos. As imagens captadas pela aeronave dos capachos dos marinhos não deixavam dúvidas sobre a destruição total do prédio. Os apresentadores, capitaneados, a saber, por um narrador de futsal, diziam que 100% do prédio estava atingido e uma das repórteres, que estava lá perto, chegou a pedir pra que todos rezassem (só não disse pra quem…) pra que não fosse necessário derrubar o que restaria do Mercado.

A minha história com o Mercado, essa de que eu não vou falar agora, fez com que a emoção falasse mais alto e eu acabei entrando no clima de tragédia (não que não sido, mas…). A Patrícia entrou no facebook e comentou sobre posts que falavam em crime, especulação imobiliária etc. Achei exagerado na hora, mas quando no domingo vi que o dragão não tinha tantas cabeças assim, comecei a pensar nessas coisas.

Que interesse alguém poderia ter na destruição de um patrimônio histórico da cidade? O seu Thompson Flores pode baixar em alguma mesa espírita pra esclarecer isso… O fato é que o incêndio, trágico, obviamente, não foi nem de perto tão devastador como os caras daquela tevezinha quiseram mostrar. O que eles ganham com isso? Não sei, talvez algum amiguinho empreiteiro possa dar uma clareada. E eu não li, mas diz que a matéria do tabloide deles se preocupou com a roupa do prefeito e com o fato dele ter saído de casa sem janta pra acompanhar o trabalho dos bombeiros.

Os desdobramentos começaram já na noite de sábado: faltou água?; os bombeiros chegaram tarde?; de quem é a culpa pelo PPCI vencido?; e se houvesse pessoas lá dentro?; mas e o exemplo da kiss não serviu pra nada?; etc. etc. e tal.

Essa história vai longe, mas o que já se pode ver com ela é o péssimo serviço que essa rede miserável presta para o povo gaúcho. E a despeito do que pretende essa gente da rede bosta sul e os seus capachos, o Mercado está firme e forte e vai sobreviver mais alguns séculos “atrapalhando a evolução da cidade”, afinal, que belo xóping se construiria ali, hein?!…

P.S.: e não me venham com Mercado padrão fifa, porque eu quero o velho Mercado do aperto na Banca 26 e da erva buena da Palmeira que o Adão sempre me consegue na 33!

http://www.mercadopublico.com.br/

*Publicado originalmente no blog Na Cidade de Cabeça pra Baixo, em 8/7/2013.

Padrão
Redes Sociais, Republicados

Incontinência virtual – ou o BBB do mundo real*

Dia desses, compartilhei lá no facebook (sempre falei feiçebuque, mas tenho visto que o bacana é dizer fêisbãq) uma mensagem atribuída ao Miguel Falabella que fala rapidamente da maneira como as pessoas estão usando o FB e sugerindo que elas deixem as coisas pessoais para um contato face a face (o trocadilho é dele). Achei legal. E o meu amigo Álvaro também. Então conversamos um pouco a respeito e ele me sugeriu dizer algo, afinal temos pontos de vista afinados nesse (e em tantos outros) tema.

Eu sou do século passado, ou melhor, do milênio passado. Entreguei muitos trabalhos de faculdade datilografados numa velha máquina alemã que meu pai me deixou de herança, com tipos de letra emendada. Lembro de que quando trabalhava na Hering, o CPD, Centro de Processamento de Dados, era um recinto quase sagrado, cujo acesso era privativo de pouquíssimos, dois pra ser mais exato, além dos diretores, e de mim, porque o boy é o cara mais importante de uma empresa (eu era, pelo menos). A sala estava sempre com temperatura perto de zero, pra não esquentar os computadores, que eram uns trambolhões enormes, tipo aqueles da caverna do Batman dos 60’s. Alguém se lembra que a UFRGS tem, ou tinha, um tal de supercomputador? Até hoje não sei bem o que é (era) isso, mas imagino que hoje nem exista mais. Também sou do tempo do telex, acoplado com disco de telefone. Fui ter o meu primeiro contato efetivo com um computador no ano 2000, então cheguei no facebook.

O cara abre o facebook e tem dezenas, centenas, dependendo do caso, de mensagens, compartilhamentos, curtidas etc., etc. e tal. Vem receita de bolo, mensagem que ensina a ser feliz, corneta de futebol, textos relevantes, vídeos bacanas, e por aí vai. Não sou do tipo que se incomoda (muito) em receber um monte de coisas por mail ou pelo FB. Desenvolvi uma razoável capacidade seletiva e o que não me interessa deleto direto ou passo batido. Isso é meio ruim, porque às vezes se perde muita coisa boa, mas, como diriam meus antepassados d’além mar, são cavacos do ofício. Eu uso o facebook pra divulgar as minhas ideias que eu acho que podem interessar pra alguém. E acho que isso tem um bom resultado. Além disso, ele já me serviu pra reencontrar gente há muito perdida e encontrar gente muito boa. E fica por aí. Mas tem gente que faz diferente e é aí que a porca torce o rabo.

Não dá pra deixar na reta no facebook. Notícia recolhida na internet:  “Pessoas sem facebook são alvo de suspeitas de RH e psicólogos”. E essa desconfiança tem vários motivos, desde a possibilidade do cara ter sido excluído da rede, o que indica uma conduta no mínimo questionável, até um possível desajustamento social. Complicado, né?! Então, já fica claro que os recrutadores pesquisam o candidato no facebook e, conforme for o uso que ele faz da ferramenta, serve ou não para o cargo. Imagina um administrador de empresas que manda um currículo para uma grande corporação. O cargo é bom, a grana é boa, a possibilidade de crescimento também, enfim, o emprego ideal. O currículo do cara é bom, especializações, MBAs, inglês fluente e coisa e tal. A entrevista foi joia, sabe falar, tem desenvoltura, espírito de equipe e blá, blá, blá. Aí o psicólogo vai lá no perfil e vê um monte de fotos de bandalheiras, bebedeiras, piadas, cornetas, bobagens e tudo aquilo que as pessoas acham bacana postar, curtir, comentar e compartilhar. Deu pra bola, reprovado, não serve pra empresa. Uma grande chance desperdiçada. Talvez para os dois lados, porque o cara poderia ser um excelente profissional. Tudo por causa do que eu chamaria de  incontinência virtual.

Outro dia eu vi um negócio que me fez cair os butiá do bolso. Tem um “serviço” no FB de namoro fake. O cara aluga um namorado ou uma namorada pra fazer de conta que estão se relacionando. São pessoas de verdade que se oferecem pra isso. Os preços oscilam de acordo com algumas variáveis, como o tempo do “namoro”, o número de mensagens babosas (estava assim mesmo na matéria) que a figura posta no perfil entre outras. Bueno, em primeiro lugar, quem precisa contratar uma namorada (vou usar só no feminino, mas vale pra todos) está dando uma prova mais do que concreta de incompetência afetiva, social e tudo mais. Será que os amigos não virtuais não vão querer conhecer a distinta? Conversei muito rapidamente com a minha psicóloga sobre o assunto, mas não tenho muita dúvida que esse tipo de comportamento deve ter um numerozinho correspondente lá no CID-10 ou no DSM-IV…

Num dos sites que eu olhei diz que há um novo mercado se abrindo para profissionais especializados em pesquisas nas redes sociais. Os caras são capazes de detectar até perfis falsos. Imagina, então, o administrador aquele, que agora tem um perfil bem legal no FB, mas que não perdeu o vício, e usa outro perfil, fake, pras palhaçadas. Daqui a pouco ele vai ser descoberto e daí… Sabe o que vai acontecer? Não serve pra empresa!

E não é só na iniciativa privada que a coisa tá feia. Pega lá um concurso pra delegado de polícia, por exemplo. Uma das etapas é subjetiva, que inclui a entrevista e, naturalmente, um exame da vida pregressa e atual do candidato. O que ele faz, que lugares frequenta, com quem anda, fuma, bebe, cheira, essas coisas. Hoje é tudo mais fácil, afinal os bonecos resolvem compartilhar tudo na rede. De repente o cara é tri bom no Direito, tem todo o perfil de delegado, mas não tem uma vida regrada, seja lá o que isso quer dizer. Ou pior, tem uma vida regrada, mas parece não ter, pelo que posta na rede. Como a avaliação é subjetiva mesmo, eles não precisam justificar (salvo se o cara entrar na justiça, mas daí eles arrumam um jeito), passa o próximo da lista.

Até aqui eu só falei de coisas ligadas ao mundo profissional, mas há outras, que podem ser até mais prejudiciais para a vida do vivente (isso foi uma redundância?). Tem gente que bota TUDO, absolutamente TUDO no FB. Parece que tem até uns aplicativos ou coisa parecida no celular que automaticamente dizem o que o cara está fazendo. Pensa bem, eu sou um ladrão, fico pesquisando possíveis vítimas na rede. Vejo lá que o seu Jubileu frequenta lugares legais, tem carro bom, compra coisas caras, mora em tal lugar, vai correr três vezes por dia, sai todas as terças, quintas e fins de semana, e assim por diante. Não fica uma barbada assaltar o seu Jubileu? E o seu Jubileu também bota um monte de fotos de tudo quanto é jeito no FB. Eu sou um hacker, profissional ou amador, pego umas fotinhos dele, faço uma montagem no photoshop ou outro ainda mais moderno e digo o que eu quiser, que o cara é gay, ou que anda se galinhando com a mulherada (se eu tô afim da mulher dele), que anda bebendo todas as noites (se eu tô concorrendo com ele numa promoção no trabalho), que é gremista, ou, quase tão ruim quanto, corintiano (se ele é conselheiro do Inter), ou qualquer coisa assim. E aí, como é que fica?

Vamos pegar um pouquinho dos aspectos, digamos, emocionais. Eu tô com problemas em casa. Boto lá no FB: “Hoje acordei meio mal. Preciso que vocês me deem uma força.” Beleza! Chovem comentários de força, pensamento positivo, carinhas (emoticons, se não me engano), gatinhos fofos, cachorrinhos, oncinhas pintadas, zebrinhas listradas, coelhinhos peludos e tal e coisa. Só que de noite eu já botei: “Uuhh, dez minutos pra sair do trampo e ir pra balada!” “Pô, hoje de manhã tu tava tri mal e agora vai pra night? Te larguei!” Bipolaridade grau máximo. Ou só vontade de aparecer?

Enfim, gente, sugiro que façamos (todos) uma revisão nos nossos conceitos e na maneira como usamos as redes sociais. Pensemos que isso é uma grande diversão, mas que também é coisa muito séria. Não tô pregando a caretice no mundo virtual. Longe disso. Só que vamos com calma. Tem hora pra tudo. Não vamos fazer da nossas vidas um grande BBB virtual, até porque esse se tal de BBB já é uma bosta na TV, imagina na vida real…

Publicado originalmente no blog Na Cidade de Cabeça pra Baixo, em 8/2/2013.

Padrão
Música, Republicados

Nos tempos da brilhantina*

Não foi exatamente um retorno aos tempos da brilhantina, mas foi quase como. O primeiro elepê de roque que eu ouvi na vida, e enlouqueci (Raulzito é outra conta), chama-se Volume 4, e quem toca ali é: Toni Iommi, Terry Geezer Butler, Bill Ward e Ozzy Osbourne, ou, dito de outro modo: Black Sabbath. O Ozzy ficou por último propositadamente, porque é o mais pop deles e estampa a capa do disco. Isso aconteceu na minha vida antes mesmo dos Beatles (heresia, dirão talvez) e mais ou menos junto com o AC/DC, O Led Zeppelin e o Deep Purple. Eu ouvia esse negócio incansavelmente, com requintes de crueldade, porque botava as caixolas do meu Conjuntojunto Polyvox na janela, pra que todos que passassem  tomassem conhecimento que ali havia um roqueiro, ou melhor, um metaleiro, era assim que eu queria passar à história.

Bueno, digo tudo isso por que mesmo? É porque ontem, depois de décadas, sim décadas, voltei a curtir um rock pauleira (putz, essa veio do fundo falso da arca do noé). Trata-se da banda Bladde, cujo guitarrista, um dos dois, é o Daniel, primo da Patrícia. Então fomos lá pro segundo show. O primeiro, que não conseguimos ir, ocorreu, ironias da vida, na Casa do Gaúcho. O evento estava marcado para um lugar chamado La Bodeguita, onde a Patrícia esperava talvez encontrar um tango e eu uma rumba ou quem sabe uma cumbia uruguaia (beijo Flavinha e Julinho!). La Bodeguita poderia ser uma sinistra casa escura e cavernosa que abrigaria um show de Révi Metal? Sim, senhoras e senhores, é isso mesmo. Show da Banda Bladde, heavy metal na veia, em La Bodeguita.

Passamos de carro pelo local e a primeira impressão é que o show tinha sido transferido e o Daniel esqueceu de nos avisar, desconfiança amparada também no fato de eu ter tentado falar com ele pelo telemóvel a tarde toda, sem sucesso. Vamos conferir, foi a ideia. Chegamos na frente, um cartaz do show, com a data certa, mas a casa hermeticamente cerrada. E agora, quem poderá nos salvar? Talvez a Patrícia não queira que eu fale, mas ela pensou em desistir -faríamos o que, sertanejo universitário ou samba de raiz? – na dúvida, resolvemos esperar um pouquito. Nisso chega um casal mais ou menos como nós, seja lá o que isso quer dizer em se tratando da possível plateia de um show heavy, dá uma olhada, pensa um pouco, troca uma ou duas letrinhas e se vão lá pra dentro. Vamo nessa! Quando adentramos a casa, o aspecto funesto ficou mais evidente. E aí estava o casalzinho trovando o cara do bar pra assistir a passagem de som, tentativa negada. Fomos eles e nós lá pra frente e entabulamos um começo de conversa. Ele não curte rock pesado e a moça nem rock curte, porque ela olhou o cartaz e achou que eram umas quantas bandas, incluindo Pantera. Perguntei quem eles vieram prestigiar e o cara disse simplesmente: – o Iuri. – Em que banda ele toca? – Não faço a mínima ideia. Nessa altura já tinha uma rapazote ali na frente, que eu achei era da plateia, mas depois vim a descobrir tratar-se do crooner da Bladde. Logo em seguida saiu o Iuri, com um par de tampões pros ouvidos, o que poderia denunciar que nem ele aguenta o (volume do) som. Conversaram um pouco, ele e o colega de trabalho, soube isso no decorrer dos eventos, e descobri que ele toca na Bladde. Então, convite pra entrar, o show vai ter início, ele se foi, nós ficamos um pouquinho mais e… porta fechada. De novo! Talvez os caras do bar estivessem a fim de um show mais intimista, só pra convidados, champanhe no gelo, sei lá…

Poucos minutos, talvez sete ou oito, depois, abriu-se a porta da esperança e finalmente penetramos o local de forma definitiva. Quando chegamos perto do palco, a Patrícia quase me mata de susto: – Olha ali quem tá aqui, a Carmela! – Foi isso que eu ouvi. No breu da coisa toda, divisei uma moça lá dentro e não identifiquei. Por alguns segundos imaginei a minha cunhadinha querida numas de head banger. Deus não joga mas fiscaliza, não era a Carmela e sim a Gabriela, a queridíssima senhora Daniel Portella (porque dois eles não sei), que é a fã número zero da banda, sem dúvida (ou será que é só colheita de material de pesquisa pra Psicologia? – brincadeirinha, gente!). Naquele momento vi que havia me livrado do pesadelo de ter que ver o Roberto pedir uma versão aditivada de Luiza ou do Canto de Ossanha… A Gabi veio nos receber cheia de surpresa, que eu não sei porque, afinal eu fui metaleiro quando era jovem e a Patrícia conhece mais músicas do Metallica do que eu talvez jamais venha a conhecer a não ser pelas bocas e instrumentos da Bladde. A propósito, eu achava que conhecia duas, mas quando eles tocaram uma delas, que eu marquei na cabeça, deu zebra, porque era do Iron Maiden, ou seja, de Metallica eu não entendo patavinas!

Começa o show, pelo menos era o que eu achava, e eu faço um comentário negativo sobre o baterista, que atravessou toda a música, no mínimo uns três compassos atrasado (ou adiantado, dá na mesma). Na segunda música eu disse que ele já estava melhor. E na terceira já não era mais ele. Só fui entender que ele era o batera da outra banda e que eles estavam apenas descontraindo um pouco, já comendo um Boka Loka no Cavanha’s. Deus de novo, porque eu estava ficando decepcionado. O Daniel tinha me mostrado umas duas músicas num estúdio e eu tinha achado tri bom, como é que agora era esse samba do crioulo doido? Na hora, olhando pro palco, vi que não tinha caixas de retorno e e me ocorreu que o batera não estivesse ouvindo a banda. Mas depois tudo ficou claro e cristalino, tal qual o ambiente.

E a banda? Bueno, a banda… Duas guitarras, formação clássica, o Daniel numa delas, um pouco mais econômico e contido, o que é excelente, porque solos “infinita highway” já não me gustam mais, embora às vezes eles sejam necessários no formato e na proposta da banda (certa feita, Eric God Clapton disse que o amadurecimento fez com que os solos dele perdessem alguns quartos de hora); o outro guitarrista, equipado com uma pedaleira maior, embarcava mais nos solos, o que confere um equilíbrio bem legal pra banda, mesmo quando os dois solam juntos, num efeito típico do estilo. (Já vi o Iron Maiden com quatro guitarras e todo mundo solando junto!) O baixista, o Iuri, toca tri bem também, tem uma segurança de veterano e me lembrou, vejam só, justamente o Gezzer Butler. O baterista, Flávio, se não me traem os recuerdos, é o que tem que ser: bate forte e pesado. Muito bom! Uma observação um pouco mais apurada cabe sobre o vocalista. Achei o timbre bem parecido com o Bruce Dickinson, o que faz com que os Iron Maiden saiam quase perfeitos. Pros Metallicas também fica muito bom. Quando eles tocaram Heaven and Hell, me pareceu que ele ficou um pouquinho acima do tom, mas isso não prejudicou a interpretação. Como ele é um piá (isso não é nenhuma ofensa, pelo contrário, apenas a constatação que ele é bem mais novo que este escriba), certamente vai evoluir muito, mas já é muito bom, inclusive na performance de palco.

Bueno, gente, era o que tínhamos para o momento. Dado o avançado da hora, deixo assim as côsa tudo. Só pra fazer um desfecho, se eu fosse o Veloso, diria que foi lindo, mas como o meu negócio é com outro baiano, prefiro dizer: FOI DUCARALHO! Obrigado pela noite, gurizada!

Publicado originalmente no blog Na Cidade de Cabeça pra Baixo, em 8/2/2013.

Padrão
Cultura, Filosofia, História, Religiões, Republicados

A cruz de Adolf – ou De como um símbolo sagrado virou sinônimo do mal nas mãos do Führer*

Em tempos de recriação da Arena e de bbb, lembrei de uma outra edição do programa em que o Marcelo Dourado participou (e ganhou). A saber, o Marcelo é conhecido da Patrícia, foi namorado de uma amiga dela de juventude e esfregou o Sagrado Manto Colorado na cara da globo quando ganhou o bbb. Uma das polêmicas em que ele se envolveu durante o programa (parece que foram muitas) diz respeito a uma suástica que ele tem tatuada. Parece que ele tentou explicar as coisas, mas não foi entendido.

Tempos atrás descobri um livro muito legal, que está referido ao final da transcrição, que continha esta passagem, e que talvez explique o que o Dourado não conseguiu:

“A VERDADE SOBRE A SUÁSTICA  

 

Esta cruz – falou Tsarong – é um dos mais antigos símbolos sagrados do Oriente. Os budistas chamam-na ‘Wan’. Nos templos tibetanos é comum encontrarmos este símbolo, gravado nos portais ou nas pedras. – Na Índia, também podem ver a Suástica sobre a cabeça da serpente Ananta, no Templo de Ouro, em Amritsar – falou Vessantara. Os brâmanes chamam a Suástica de Cruz Jaina. – Aliás, existem duas Suásticas – retrucou Tsarong. Uma positiva e outra negativa. Ambas são sagradas,  sendo que a positiva é usada pela magia branca e a negativa pela magia negra. – E qual a diferença entre ambas? – perguntei, sumamente interessada.

 

 

 

Apontando para o desenho que o velho estava traçando no chão, Tsarong disse: – Repare, aquela á positiva. Tem os braços dobrados no sentido dos movimentos dos ponteiros de um relógio. A negativa é o contrário. A positiva representa o contínuo movimento das fôrças do Cosmos. Simboliza a rotação da Terra nos eixos do mundo, porque as linhas que se cruzam significam o espírito e a matéria perfeitamente equilibrados. Aplicada ao homem, representa o elo entre este e a divindade, emblema de que o Criador está na humanidade e está no Criador, como as gôtas de água no oceano. – então Hitler usou a Suástica positiva? – indagou Pierre Julien. – Sim, meu amigo – retrucou Vessantara -, Hitler era um grande mago negro e sabia o poder da Suástica oriental. Por isso escolheu como símbolo a Suástica positiva, apenas inclinou-a a 45 graus, tornando-a um símbolo maléfica. Basta que você examine as fotos da guerra e compare-as com a Suástica positiva. O movimento dos braços é idêntico. Hitler degradou este poderoso símbolo e pereceu vítima da sua própria maldade. – Mas como conseguiu tornar a Suástica positiva maléfica, apenas com a inclinação de 45 graus? – perguntei perplexa.

 

 

Vessantara esboçou um leve sorriso e respondeu: – Bem… para explicar isto teremos que entrar no campo da Astrologia. Segundo os entendidos, a cruz positiva, colocada no círculo do Zodíaco sobre a influência dos planetas, está iluminada pelo Sol, que é o doador da vida, positivo, masculino e gerador da fôrça. Se esta mesma cruz for inclinada 45 graus, tal como fez o déspota alemão, sai da casa do Sol e entra na casa da Lua, que é feminina, negativa e criadora das forças maléficas.* – Mas o senhor tem certeza de que Hitler usou mesmo a cruz positiva? – perguntei um pouco incrédula. – Absoluta – respondeu Vessantara serenamente. –Êste foi um dos símbolos que mais estudei na Índia, e muito me surpreendeu observar a Cruz Jaina positiva como símbolo dos nazistas. Sei que alguns estudiosos ocidentais pensam que Hitler usou a Suástica negativa, mas estão errados. Nas inúmeras fotos publicadas nas revistas da época podemos constatar isto perfeitamente. O velho pastor terminou de desenhar a cruz suástica no chão e fez sinal para um môço alto e robusto, que estava à sua direita. O rapaz aproximou-se. Vestia uma túnica de sêda carmesim sobre umas calças fofas, que terminavam escondidas sob as longas botas de couro vermelho. Na cabeça, tinha um barrete de pele de castor. Sentando-se sobre a cruz, ele cruzou as pernas, pousou as mãos sobre os joelhos, cerrou os olhos e começou a cantar. Sua voz era clara e varonil. Subia através do ar dividindo brandamente as palavras da canção. Soubemos que era uma oração mística, cuja origem era impossível saber. Quando terminou de cantar, houve gritos e vivas de todos os presentes. Então, a uma ordem do chefe, começou uma farta distribuição de ‘cheng’, cerveja nepalesa feita de milho e servida em altos cilindros de bambu, chamados ‘paips’. Havia, também, vinho indiano, montanhas de bolos de mel e inúmeros outros quitutes estritamente vegetarianos. Mas não havia ordem. O povo avançava em tudo com verdadeira alegria. Muitos até lambuzavam as vestes e riam contentes. Após o banquete começaram as danças. Um grupo de moças e rapazes dançou em volta da grande fogueira. Cascatas de fitas coloridas flutuavam em seus capacetes dourados. Cada um trazia na mão uma flauta, que simulavam tocar. A música era exótica e harmoniosa. As môças usavam máscaras de deusas tutelares. Aliás, em quase todas as danças asiáticas, os dançarinos atuam mascarados. Isto porque acreditam que a máscara ajuda-os a elevarem-se da sua consciência do EU, libertarem-se de si mesmo a lcançar o êxtase divino. Cêrca de duas horas da manhã terminou a festa. Apesar do cansaço, nenhum de nós percebeu que o tempo passara tão depressa. E assim, regressamos ao palácio do Rajá, levando nos olhos a beleza agreste daquela festa bizarra aos pés dos montes Himalaia. Soubemos mais tarde, através das declarações do célebre astrólogo húngaro, Louis De Wolh – que foi Chefe do Escritório de Investigações Parapsicológicas de Londres e, logo, Capitão do Exército Britânico, graças à proteção de Lorde Halifax – que ‘Hitler se interessava profundamente pelas ciências ocultas e, em especial, pela Astrologia’. Apesar da Astrologia profissional ser proibida pelo governo alemão, soube-se que Hitler, extra-oficialmente e para uso próprio, mantinha uma plêiade de grandes astrólogos trabalhando para ele. Os demais astrólogos que vivam na Alemanha foram perseguidos e a maioria executada, pois as suas previsões astrológicas poderiam vir a prejudicar a propaganda política de Hitler. Conta Louis De Wolh que antes da II Grande guerra morou vários anos em Berlim  e lá fez amizade com Maximiliam Bauer, que era o astrólogo favorito de Gustav Stresseman, Ministro do Exterior da Alemanha. Através de Bauer, Louis De Wolh soube de várias coisas interessantes sobre o Fueher. Entre outras coisas, que ‘a sagrada cruz suástica dos antigos orientais foi escolhida por Hitler para símbolo do Nazismo, sob a influência de uma lama tibetano do Mosteiro de Tulung Tserpung, conhecido como um dos maiores redutos de magos negros do Tibet’. Soube também que em 1923, quando Hitler ainda era desconhecido do povo alemão, certa noite ao sair da famosa Cervejaria de Munique, onde se reunia com amigos para falar sobre política, Hitler encontrou-se com Aub, um velho mago muito conhecido em Munique como vidente. Em companhia de Aub estava um lama tibetano vestindo o hábito vernelho típico da sua seita. Aub conversou com Hitler por algum tempo e logo este segui-o à sua residência. Desde então, consta que Hitler foi iniciado nas ciências ocultas por Aub e o misterioso lama tibetano. Na primavera de 1940, Louis De Wolh publicou em Londres um estudo sobre o horóscopo de Hitler, no qual diz o seguinte: ‘A morte de Hitler será de natureza saturniana, ou seja, uma morte por envenenamento, ou prostração nervosa, ou quiçá se trate de uma morte misteriosa que nunca será esclarecida’. Mais tarde, num dos seus livros, intitulado ‘Astros, guerra e paz’, Louis De Wolh declara: ‘Após o trágico desaparecimento de Hitler – previsto por mim em 1940 – foi constatada a presença inexplicável de alguns lamas tibetanos da seita do chapéu vermelho nas cercanias de Berghof, o palácio montanhês de Hitler, na costa de Obersalzberg. Estes lamas foram presos, mas apesar de toda a vigilância das autoridades policiais, desapareceram misteriosamente da prisão e jamais foram encontrados’. É possível que este fato venha ao encontro das afirmações do astrólogo alemão Maximiliam Bauer de que Hitler, realmente, foi iniciado nas ciências ocultas por um lama tibetano do Mosteiro de Tulung Tserpung, situado perto de Lhasa.” (SING, Chiang. “Mistérios e magias do Tibet – Revelações do ocultismo tibetano, tal como foram observadas pessoalmente pela autora, a primeira mulher brasileira que êsteveentre os místicos e os magos do Tibet”. Rio de Janeiro. Ed. Rodemar. 2ª edição. p. 10-13). (Grifos meus.) (Grafia original.)

*Publicado originalmente no blog Na Cidade de Cabeça pra Baixo, em 9/1/2013.

Padrão
Memórias, Republicados

Álcool: de 100 pra zero*

Segundo reveion sem álcool. Legal observar a evolução da abstinência. Não da interrupção do álcool em si, porque esta se deu literalmente do dia pra noite, mas como a minha relação com essa nova situação foi se desenrolando.

No início, uma certa desconfiança e até alguma insegurança. A resposta pra negar o copo era mais ou menos sempre a mesma: “não tô bebendo”. O gerúndio aponta pra algo momentâneo, circunstancial. Não bebo neste momento, mas quem sabe mais adiante… A justificativa (sempre tem que ter alguma?) invariavelmente passava pelos remédios, porque isso evitava a insistência. Algumas vezes uma que outra brincadeira com a balada segura. O fato é que não existia a afirmativa: “Parei de beber!” Talvez porque o fato tenha se dado justamente numa virada de ano e no verão seja ainda mais difícil resistir aos apelos da cana.

Mais pra frente, um pouco mais seguro, apareceu o “Parei de beber!” Mas ainda guardando uma relação com o tempo etílico. Parei de beber implica no reconhecimento de que bebi. E em geral com o adicional de quantidade: muito! Os remédio aos poucos deixaram de ser muletas. Às vezes uma deslizada pelo “Dei um tempo!”, mas quase sempre deixando esse tempo em aberto por um bom tempo.

Atualmente, “não bebo”. Só “não bebo”, sem mais. Pra quem me conhece de outros anos novos, isso pouco diz, mas pras novas amizades, até que se aprofunde no assunto, sugere-se que nunca bebi. E isso não carrega nenhum constrangimento. Não há mais a necessidade de mostrar o passado alcoólico. Isso é bom!

_________________

E a tal cerveja sem álcool? Troço bem ruim! E perigoso… Quando bebia, cheguei a tomar uma vez que outra, mas só por curiosidade, e como logo em seguida derramava o álcool por cima, a coisa ficava no ar. Dia desses, porém, aceitei uma sem álcool, mais pra não fazer desfeita. Bem gelada, no calorão da noite pré-natal, desceu bem o primeiro gole. Depois enjoa e o cara não chega na segunda lata. Mas aí é que o gato esconde o tapa. No meu tempo de aventuras etílicas cerveja era, na ordem de preferência, polar, brahma, antarctica, skol, kaiser (sim, eu tinha tendências suicidas). Tinha algumas especiais, tipo brahma extra, original, serramalte, boêmia. Alguns lugares, como o Zelig, tinham outras cositas, tipo a bavária premium antiga, long neck, com um papel laminado branco cobrindo a tampa; havia alguma importada, tipo budweiser e a coisa ficava por aí. Sou do tempo que a gente olhava nos filmes os caras amassando uma lata com a mão e ficava impressionado, porque a lata por aqui era de ferro, impossível de amassar sem uma marreta, e só da skol. Mas voltando à vaca fria, hoje chega a dar nojo de tanta cerveja que tem por aí. E mais nojo ainda de tanto mestre cervejeiro dando dica de cor, textura, borbulhas e o escambau!

(Parêntese pra contar uma rapidinha que ilustra a minha grossura: certa vez fomos no aniversário de uma amiga, professora da inglês da UFRGS, num pub desses que se vieram na onda das bacanezas oropeias que aportaram por acá. Gente bonita, papo cabeça, a Patrícia e alguns maloqueiros [sim, Diego e Flávio, é docês que eu tô falando]. E eis que o garção veio com o mení e sugeriu que começássemos apreciando uma mais fraquinha, pra depois avançarmos pelas mais encorpadas. Do alto das minhas décadas de beberagem eu pedi uma heineken, ao que o sujeito, muito solícito e cordial respondeu que tomando logo uma mais forte isso poderia prejudicar a apreciação dos sabores que viriam. E eu disse: “valeu a dica, parceiro, mas a questão não é o gosto do troço, mas o preço, então, se tiver alguma mais fraquinha que seja também mais barata, é nessa que eu vou”. Bueno, não preciso dizer que a fubangagem [vocês de novo, Diego e Flávio] se divertiu e a Patrícia queria se enfiar em baixo da mesa.)

Voltando de novo à vaca, que a essa altura já deve estar gelada, eu não sei se hoje em dia o gosto da cerveja álcool 0 é muito diferente de tantos outros que tem à disposição. Então hoje pode ser que o cara beba esse negócio numa boa enão queira ir pras outras. Mas prum bebedor da média guarda, como eu, o gosto dessa coisa lembra muito pouco o da cerveja que eu tomava, mas dá uma vontade de chamar uma velha polar bem gelada.

Por isso, meus amigos que pretendam enveredar pela abstinência, sugiro que não caiam nessa de tomar essas sem álcool. Primeiro porque não vai matar a saudade, porque isso pode ser qualquer coisa, menos cerveja. E segundo, decorrência disso, vai ser difícil segurar a onda depois.

_________________

Pra encerrar, não sei se já disse isso, mas o melhor de não beber não é ver que eu posso fazer tudo de bom que fazia com álcool na cabeça, mas saber de tudo de ruim que eu deixo de fazer justamente por não estar sob efeito.

*Publicado originalmente no blog Na Cidade de Cabeça pra Baixo, em 3/1/2013.

Padrão
Psicologia, Republicados, Saúde

Treze por cento

Dividi a minha vida em ciclos em relação à bebida. Comecei a beber aos 13 anos. Bebi durante 25. Parei aos 38, portanto há 2, e vou me manter abstêmio pelos próximos 23, para totalizar sem beber os mesmos 25 de aventuras etílicas. Depois disso, estando com 63, vou beber por mais 13, para fechar com a conta inicial e morro aos 76 tranquilo. E bêbado!

Obviamente isso não passa de uma brincadeira. Depois que eu descobri que sóbrio posso fazer as mesmas coisas boas e/ou inofensivas que eu fazia quando embriagado e, sobretudo, que eu consigo evitar as bobagens que o álcool me incentivava a fazer, decidi não beber mais, mesmo que vá adiante dos 76.

Por outro lado, não sou exatamente o que se pode chamar de um cidadão polticamente correto. E, honestamente, ainda bem que não sou. Tem coisas que ficaram muito chatas depois que se decidiu que não se pode atirar o pau no gato. Na musiquinha, claro, porque na real não se deve mesmo. Só que tem algumas coisas que vão além desse negócio de ser socialmente certinho. E é disso que eu quero falar.

Quem me conhece ou já leu algo que eu escrevi por aqui sabe que não sou muito fã da companhia jornalística do seu Maurício. Pelo contrário, tenho ene críticas ao tipo de jornalismo que se pratica na esquina da Ipiranga com a Cascatinha, opa, Érico Véríssimo. Só que também não sou maniqueísta o suficiente pra achar que tudo o que os caras fazem é ruim. Algumas coisas boas ou mais ou menos: o caderno de gastronomia, o caderno de cultura, a coluna do Veríssimo, a coluna do Flávio Tavares, a coluna do Marcos Rolim, a coluna do Percival Puggina (esta serve pra manter o nível de raiva na altura certa), a excelente frase  repetida muitas vezes pelo Túlio Milman: não há o que não haja, enfim, algumas coisas que podem ser bem úteis para quem tem o mínimo de capacidade de identificar a linha editorial de um jornal e fazer uma análise crítica disso, separar as pedras do feijão.

Bueno, nessa história toda, às vezes eu leio a coluna da Mariana Kalil. Fazia algumas semanas que não lia, porque em geral, pra não dizer sempre, ela escreve coisas que não me interessam nenhum um pouco, como a combinação possível entre saia e tênis. Mas no domingo retrasado (02/12) resolvi ler. O título era sugestivo: “Delícia de relax”, com relax grifado. E um quadrinho da Mafalda tomando banho de sol. As três primeiras frases me fizeram arrepiar os cabelos. Ei-las:

“Sigo um ritual diário, quando chego em casa à noite. Neste ritual, sempre está incluída uma taça de vinho tinto. Só consigo relaxar depois desse momento.” 

Esta última frase, então, me obrigou a reler quatro vezes esse início. Os meus conhecimentos não exatamente técnicos do assunto me dizem que uma pessoa que só relaxa depois de um copo de bebida é alcoólatra. Separei a folha para conversar com a minha psicóloga na segunda-feira, inclusive porque queria informações técnicas. Mais adiante relato algumas ideias que trocamos, mas tudo o que eu vou dizer aqui está de acordo com o que ela pensa.

Mais à frente, na coluna, a guria diz o seguinte:

“Não gosto de vinho branco e gosto pouco de vinho rosé. Gostaria mais de vinhos branco e rosé se eu conseguisse raciocinar no outro dia e não clamasse desesperadamente pela chegada da morte súbita.”

Em 25 anos adquiri uma razoável experiência com bebidas, mesmo com vinho (sempre preferi os de garrafão), e posso dizer sem medo de errar que é praticamente impossível para uma pessoa acostumada a beber uma taça por dia ter essa ressaca toda apenas por ter trocado o tipo de uva. Ou seja, pra ter vontade de morrer, ela precisa beber mais do que uma taça de vinho branco ou rosé. Mas isso é de menos. Estamos prestes a entrar num campo altamente minado.

Ela cita uma notícia do New York Times;

“Cresce o número de vínicolas que estão adotando um novo caminho para divulgar o vinho para as mulheres, criando rótulos que podem ser consumidos gelados e promovendo a bebida como uma forma de relaxar dos deveres domésticos familiares e profissionais.”

Aí ela diz assim:

“EU SOU NORMAL!”

E cita uma vinícola, da qual eu não vou fazer comercial, que adotou a ideia para a América do Sul, com uma “grande sacada”:

“Qual é a grande sacada: o teor do álcool é moderado, em torno de 12% [N.A.: MODERADO??], o que possibilita tomá-lo gelado sem alterar o gosto ou o aroma.”

Daqui a pouco vou mostrar porque a vínicola em questão optou pelos “moderados” 12% de graduação alcoólica. Mas quero avançar na questão das citações da moçoila. Como diria o Jorge Ben, opa, Benjor (já disse que sou velho), deu no New York Times:

“Segundo pesquisa do NYT, a Chateau Ste. Michelle, fez um anúncio que explica o meu desespero e o desespero das mulheres em geral: ‘O momento de beber o vinho é o momento em que ela pode se tornar ela mesma – nem mãe, nem colega de trabalho, nem motorista, nem cozinheira.’”

Perguntei para a minha psicóloga o que ela acharia se eu reescrevesse a afirmação ali de cima assim: “Ser mãe, colega de trabalho, motorista, cozinheira é uma merda, então nada mais justo que oferecer uma coisinha para a mulher se livrar desse peso e se tornar por alguns momentos ela mesma, mesmo que esse estado psiquíco cahamado ‘ela mesma’ seja obtido apenas com o auxílio de uma bebida de álcool.” Talvez se o crack fosse liberado a mulher-alvo da propaganda pudesse ser ela mesma gastando bem menos…

Pouco antes de encerrar a coluna, a editora do caderno Donna botou a mesma fotinho de uma moça berrando que ela usou antes pra dizer:

“EU SÓ QUERO RELAXAR!!!”,

dizendo agora:

“EU SÓ QUERO ME TORNAR EU MESMA!!!”

Tá, a partir de agora vamos a algumas coisas que eu pesquisei e outras que eu fiquei sabendo com a ajuda da minha terapeuta, para quem eu perguntei de cara quais os critérios para diagnosticar a alcoolemia. Não vou adentrar por informações muito técnicas, mas o que eu queria saber é se a guria não estava se declarando alcoólatra já no início do texto, quando diz que só relaxa bebendo, embora uma taça apenas. A resposta confirmou o que suspeitava, que fica evidenciada, no mínimo, uma dependência psicológica. Para quem quiser ir mais a fundo, bota no google “Ronaldo Laranjeira”. O cara é o cara do assunto no Brasil e um dos caras do assunto no mundo. Vale a pena dar uma olhada, nem que seja pra confirmar que eu não estou querendo ser o joãozinho-do-passo-certo e nem dar uma moral de politicamente correto. A coisa é científica.

Eu disse que ia explicar o porquê dos 12% do vinho. Acontece que a propaganda de bebida aloólica é proibida no Brasil. Sim, não estou bêbado pra dizer isso, no Brasil não se pode fazer propaganda de bebida alcoólica. É o que diz a Lei nº 9.294, de 15/07/1996 e o Decreto nº 2.018, de 01/10/1996, ambos em plena vigência. Acontece que para os nossos iluminados legisladores, a bebida só é considerada alcoólica, para os efeitos da legislação referida, se o teor de álcool for superior a 13%. Ou seja, será que foi coincidência a fabricação do vinho com 12%?

Lá pelas tantas, na conversa com a minha psicológa, ela falou em xamanismo, uma fração de segundo antes que eu fizesse uma referência ao Castañeda e ao Don Juan, com a história de despertar outros níveis de consciência a partir do uso de certas substâncias, no caso deles, particularmente, o peiote. Pois é isso que parece, porque o jornal, a fábrica de vinho e a nossa colunista falam que a mulher só pode relaxar bebendo, quer dizer, sem o auxílio mágico do vinho, com seus módicos 12%, a vida dela vai continuar em permanente estresse. Ora, quem não quer relaxar? Quem não quer se tornar “eu mesmo”? Então “vamos beber” é a mensagem. Ou não?

Vocês podem até achar que eu estou exagerando ou que isso tudo é bobagem, mas, pensem bem, o caderno Donna é lido por muita gente, inclusive por gente que está em processo de formação da personalidade (minhas filhas, por exemplo). A coluna da Marian Kalil, particularmente, atrai a atenção de um público jovem, porque ela fala de moda, de lugares legais etc., numa linguagem moderna, descolada. Imaginem, então, uma guria de 12, 13 anos lendo que a Mariana Kalil só relaxa com uma taça de vinho e que faz propaganda de vinícolas especializadas na divulgação dessas ideias. Seria exagero imaginar que um dia antes da prova final essa guria chegasse em casa e tomasse um “traguinho” pra relaxar? Mas pai, a Mariana diz que não tem galho, que ela toma uma tacinha de vinho sempre pra ficar relax.”

Concordamos, a minha psicóloga e eu, que essa coluna foi um desserviço à comunidade e é extremamente perigosa, apesar de ser aparentemente ingênua. Aliás, de ingenuidade não há nada nos veículos da rbs. E se os Sirotsky chegaram na Mariana dizendo: “Olha só, tem uma vinícola afim de investir no jornal. Dá uma forcinha na tua coluna.” Alguém duvida?

*Publicado originalmente no blog Na Cidade de Cabeça pra Baixo, em 11/12/2012.

Padrão
Cultura, Educação, Republicados

Dr. Vestibular, Médico Obstetra*

Dia desses, conversava com duas gurias, mães de dois coleguinhas de escolinha da Alexandra, minha filha mais nova, e elas perguntavam sobre o colégio das minhas filhas mais velhas, Vitória e Paula. A Vitória, inclusive, participava da conversa. Lá pelas tantas, a pergunta que não quer calar: como é o colégio na preparação para o vestibular? Notei uma certa dificuldade da Vitória para elaborar uma resposta que satisfizesse à questão. Recorte no tempo, anos 70 e 80, minha época de colégio: o importante era  estudar muito para poder… passar no vestibular.

Ali pelos anos 70, creio eu, não tenho informações precisas, começaram a surgir os cursinhos preparatórios para o vestibular. Por motivos, dentre os quais o principal não era passar no vestibular, em 1992 eu fiz um ano no Unificado. Pra rir um pouco serviu. Os professores eram engraçados, em geral. Até o grande Luiz Roberto Lopes fazia palhaçada na aula. Na prática, salas com mais de 100 alunos, fórmulas mágicas pra aprender a marcar o x no lugar certo, ditados enfadonhos do professor Cláudio Moreno (não sei se naquela época ele já era doutor), e no mais, festa e festa. Produção ou estímulo ao conhecimento, que é o que se espera de um ambiente estudantil: ZERO!

Na época em que as pessoas viviam até os 60 e poucos anos, 70 com sorte e pouca saúde, cunhou-se a máxima que a vida começa aos 40. Pois a conversa que eu referi no início me levou a repensar essa ideia. A vida, na verdade, começa no vestibular. Tudo o que se faz antes dele não é mais do que uma grande gestação à espera do grande momento, o nascimento para o mundo. O vestibular é o grande obstetra, aquele de cuja perícia e habilidade depende o ingresso da pessoa, geralmente pouco mais do que uma criança, no mundo real. Toda as experiências de vida anteriores serviram única e exclusivamente para o preparo necessário ao seu enfrentamento. O Colégio Militar ainda hoje é visto como um dos que tem o melhor ensino, afinal, seus alunos invariavelmente vão muito bem… no vestibular.

No mesmo ambiente da conversa que eu falei no início, outra guria dizia estar muito descontente com a escolinha, porque a filha de 4 anos não sabia contar até trinta. Mas qual é a importância para uma criaturinha linda e fofa de 4 anos, cuja preocupação central da vida deve ser brincar, de saber contar até trinta? Ah, claro, isso vai facilitar as coisas… no vestibular.

Olha, antes de seguir em frente, quero dizer que essas mães que eu falo aí são excelentes, como mães e como pessoas, e digo isso sem conhecê-las com mais intimidade, mas não é muito difícil reconhecer as pessoas “do bem”. O problema, portanto, não é com elas, é com quase todas as pessoas que têm filhos e que pensam, com certa razão, na formação superior como uma garantia de vida melhor para eles. O problema, indo mais a fundo, é com o sistema de ensino, e, ainda mais na raiz, com o sistema – não queria cair nessa discussão, mas é inevitável – capitalista.

A produção e a disseminação do conhecimento tem, no modelo instituído da sociedade ocidental, uma importância secundária, desde que o sujeito seja capaz de ter sucesso na vida. E o que é ter sucesso na vida? Ter um carrão importado, muitas vezes antes mesmo de uma casa, frequentar os lugares da moda, usar roupas descoladas e por aí vai. Na busca frenética desse objetivo, a faculdade, e hoje todas as pós que vêm depois da graduação, tem um papel decisivo. E qual é a porta de entrada para esse “mundo de Malboro”? Ninguém menos do que o doutor vestibular, o nosso obstetra de plantão.

No sistema moderno de educação básica, quando um jovem atinge os 16 ou 17 anos, ele passou no mínimo 12 desses preciosos anos nos bancos escolares. Isso sem contar o tempo de escolinha infantil. Depois desse tempo todo, transcorrido nas fases mais importantes do desenvolvimento psíquico e social de uma criatura, se ela for capaz de marcar os xises no lugar certo, será considerada uma vencedora. Se não der, bom, tenta ano que vem, quem sabe faz um cursinho… Ou seja, se a pessoinha chegar nessa fase da vida sem saber escrever duas linhas com coerência (os TCCs que se vê – se veem, diriam os gramáticos de plantão – por aí…), mas entendendo que a fórmula de báscara e a conjugação do verbo vir em todos os tempos e modos vai lhe abrir as maravilhosas portas da felicidade (com a devida licença ao senhor Senor Abravanel), está tudo ok. O nosso jovem estudante, candidato a uma vaga na faculdade, não precisa saber que o Darwin não disse exatamente que o homem descende do macaco, desde que ele saiba calcular com precisão a velocidade e o tempo que levarão para se chocar os vetores que vêm em sentido contrário, num movimento retilíneo uniforme. Não estou desmerecendo os conhecimentos de Física, nem de Matemática. Queria eu saber essas coisas. Só que eu acho que o mais importante é que um jovem que está apenas na sua segunda década de vida entenda o porquê de saber essas coisas todas e se elas são realmente necessárias. Ninguém vai conseguir me convencer que um carinha que quer fazer Direito tenha a obrigação de saber fazer cálculos de geometria espacial. Ah, mas e o vestibular? Pois é…

Uma das maiores crueldades que se pode fazer com uma pessoa é obrigá-la, aos 17 ou 18 anos, a fazer uma opção que pode comprometer-lhe a vida. Há casos de guris e gurias que terminam o segundo grau, opa, o Ensino Médio, sabendo exatamente que querem ser médicos, dentistas, advogados, engenheiros etc. (Por que tão poucos pensam em ser professores?…) A maioria, porém, como é de se esperar, não tem muita certeza do que quer ser na vida, profissionalmente falando. Conheci uma senhora, cuja filha estava se formando em medicina aos 25 ou 26 anos. Antes disso, ele cursou até o último semestre de odonto. Acontece o seguinte: ela terminou o colégio com 15 ou 16 anos e queria medicina, mas não passou no… vestibular, e no mesmo ano, por pressão do pai (ah, esses pais…) fez pra odonto e passou. Lá em Passo Fundo. No último semestre, ela largou e foi fazer medicina, sendo que nesse segundo (ou terceiro) vestibular ela já tinha na bagagem a maturidade de ter passado alguns anos na universidade, o que certamente ajudou na prova. Perguntei, ingenuamente, porque ela não tinha terminado a odonto, assim poderia ter duas faculdades. A resposta era óbvia: ela não queria odonto, mas caso se formasse, a pressão seria muito forte para ela montar consultório e levar a carreira em frente, com a frustração de não ter perseguido o seu sonho.  Não deve se desconsiderar o fato de que ela é de família com boas condições, então não teve maiores dificuldades em protelar por algum tempo a entrada no mercado de trabalho. Mas o que interessa no caso é que ela teve coragem de romper com um estrutura pré-estabelecida, que fez com que entrasse num curso que não queria, no auge da juventude, apenas para agradar o pai. Quantas histórias dessas há por aí? E quantas têm um prosseguimento diferente, porque nem todas as famílias (aliás, poucas) têm condições de manter um filho na faculdade esse tempo todo. E o pensamento que vige é mais ou menos este: “se chegou até aqui, segue esse caminho.” Geralmente quando o cara erra na escolha, coisa mais fácil do mundo aos 17 anos, mas vai em frente, está fadado a se revelar no futuro uma pessoa frustrada, amarga, que não gosta e, portanto, não executa bem a sua atividade profissional, ou, mesmo que execute, não tem nenhum prazer nisso, mas que, por inúmeras circunstâncias, se vê incapaz de virar o jogo.

Submeter uma pessoa que recém está saindo dos cueros (oigalê!) à tortura de ter que competir com outros milhares de jovens por uma vaga na faculdade, que hoje pouca garantia pode dar de um futuro melhor, é desumano. Quanto mais se pensarmos que o aluno em questão pode saber muito de todos os conhecimentos que lhe serão exigidos, mas pode ter problemas de tensão (o famoso branco) ou pode estar num dia menos inspirado, ou, enfim, pode sofrer qualquer coisa que lhe impossibilite, às vezes por um único xisinho marcado no lugar errado, de realizar naquele momento o sonho, que geralmente é mais dos pais do que dele próprio. Vai daí mais um ano de preparação para… o vestibular. Isso se o carinha não jogar tudo pro alto ou resolver optar por um curso mais fácil de entrar. Nem falei ainda do fato de que os inefáveis cursinhos ensinam, também, algumas técnicas infalíveis para chutar certo, o que é o reconhecimento da ineficácia e da falência desse sistema nefasto, pelo qual alguém que simplesmente tenha mais sorte pode, num sublime ato de quase fraude, ser bafejado pela fortuna.

Meus amigos, eu defendo uma mudança radical nos conceitos (alguns preconceitos) que temos acerca do ensino. Precisamos entender que uma pessoa está aprendendo a pensar desde que sai da barriga da mãe, pelas mãos do obstetra (o de verdade, não o vestiba) ou da parteira. Assim, se ela for estimulada e pensar de verdade, não tenho nenhuma dúvida de que vai tirar o vestibular de letra. (Se bem que espero que daqui há alguns anos esse troço de vestibular desapareça.) Do contrário, se ela tiver o seu desenvolvimento voltado fundamentalmente para disputar uma prova, as coisas podem se complicar.

Urge que estimulemos as nossas crianças e jovens a ver o mundo para além de uma grade de respostas. Ao procurarmos um colégio para os nosso filhos, fora as condições materiais implicadas, que muitas vezes restrigem a escolha, afinal, por aqui ensino de qualidade é quase sempre sinônimo de mensalidades exorbitantes, é preciso que nos desapeguemos (como é difícil a prática do desapego…) da ideia fixa de que os professores devem prepará-los para o sucesso no vestibular. Vamos pensar que o nosso bebê (é quase isso que eles são quando entram no colégio) vai passar vários anos da sua vida atrás de uma classe e nesse tempo todo é muito importante que ele aprenda algo a mais do que o vestibular vai lhe exigir. É preciso que ele aprenda a se expressar, se comunicar, é preciso que ele aprenda a respeitar as diferenças entre as pessoas, é preciso que ele aprenda que um gari exerce uma profissão digna (né, seu Casoy?) e que o fato dele, o gari, não ter cursado uma faculdade (embora possa tê-lo feito, por que não?) não o transforma numa pessoa inferior, é preciso, falando de uma questão mais prática, que ele, o (ex) bebê, chegue no final dos doze anos de estudo conseguindo escrever um texto capaz de transmitir com clareza o que ele pensa (alguns “erros” de português nesse caso são perdoáveis…) e, de preferência, que o que ele pensa reflita o desejo de construir uma sociedade melhor para todos, mesmo para aqueles que não conseguiram passar… no vestibular.

*Publicado originalmente no blog Na Cidade de Cabeça pra Baixo, em 2/12/2012.

Padrão