Religiões, Republicados

And no religion too…*

… diria um Lennon esperançoso de que um mundo novo pudesse ser construído a partir da imaginação das pessoas e da crença na viabilidade desse novo mundo. No contexto em que está colocada, essa exortação ao abandono da religiosidade pode ensejar a discussão antiga, e para alguns datada, como tudo no marxismo, sobre a religião sendo o ópio do povo. Mas não quero propor esse debate, não pelo menos agora. Nem quero entrar na questão da prática religiosa propriamente dita. Apenas quero pegar uma carona num acontecimento recente pra apresentar algum questionamento sobre a relação entre religião e sociedade, esta última compreendida em sentido amplo, sem deixar de fora mesmo as instituições oficias.

O Brasil é um país laico, embora o preâmbulo da nossa Lei Maior exclua todos aqueles que não acreditam em Deus, eis que esses não estarão protegidos por ele (ou Ele). Não obstante, discussão das mais quentes no Rio Grande do Sul é sobre a retirada dos crucifixos das salas de audiências dos Foros e de outros ambientes públicos. E bota quente nisso, porque a “ala Opus Dei” da magistratura pegou em armas para defender o direito de Cristo de defender a todos que frequentam aqueles ambientes, talvez até mesmo aqueles que acham que ele (ou Ele) nem existiu. Por outro lado, questiona-se a existência de feriados religiosos – leia-se católicos -, como Natal, Páscoa etc. Basta isso para se atestar que o assunto é complexo. E mesmo diante dessa complexidade, na minha opinião, discutido com pouquíssima seriedade. Em qualquer debate são levantados argumentos que não passam de defesas intransigentes de um ponto de vista religioso contra defesas intransigentes de um ponto de vista não religioso. E assim não se chega a lugar nenhum.

Todavia, a influência da religião na sociedade deveria ser discutida com profundidade e, acima de tudo, com seriedade. No âmbito do Congresso Nacional estamos vendo como as questões de natureza religiosa são decisivas nas tomadas de decisões, e temos como exemplo o proselitismo feito pelo Pastor Marcos Feliciano, que se tornou uma das figuras mais importantes e influentes do nosso legislativo. (Usei este exemplo apenas para ilustrar a questão, e por ser ele bastante noticiado, estando, portanto, ao alcance de todos.)

Eis o acontecimento recente de que falei: tem algum tempo, fui preencher uma ficha de cadastro, que no espaço da identificação pedia que eu apontasse a minha religião e dava como opções: católica, evangélica, espírita e outra. A opção “outra”, ao contrário do que se possa imaginar, não era neutra nem genérica, pois em seguida perguntava qual. Deixei em branco. O atendente, ao receber a folha, me alertou para o esquecimento e quando eu disse que fora voluntário ele disse que eu deveria marcar a opção “outra”. De nada adiantou eu explicar que a minha resposta não era “outra”, ele praticamente me obrigou a escolher uma opção. Peguei de volta a folha, marquei a opção “outra” e apontei “ecumênica”. O moço, já de má vontade comigo (depois percebi que ele ostentava por dentro da camisa um vistoso crucifixo de madeira) consultou alguém lá dentro e voltou dizendo que era necessário eu identificar alguma religião.  – Antes que alguém pergunte, o cadastro não tinha nada a ver com qualquer instituição religiosa, mas apenas serviria para que eu recebesse informativos periódicos de um determinado centro cultural em Porto Alegre. – Nesse momento, também eu já estava disposto a complicar as coisas. Peguei a folha de novo, botei um asterisco junto à palavra ecumênica e anotei no verso o seguinte:

“Fui criado em família católica apostólica romana praticante, e coroinha na Igreja das Dores. Só que quando a Igreja de Paulo parou de me dar as respostas que eu queria (teriam as perguntas se tornado mais complexas?), fui me tornando cada vez mais ecumênico.” Exatamente como está escrito na minha identificação neste blog. Mas resolvi não parar por aí, já que o objetivo tinha se transformado por completo numa questão pessoal e o que eu queria a partir dali era encher o saco dos caras tanto quanto eles estavam me enchendo. Escrevi mais isto:

Caso os senhores não saibam, e visando a poupar-lhes o trabalho de consultar o dicionário, ecumênico refere-se a algo que é universal, ou seja, não se restringe, no caso da religião, a um tipo de doutrina especificamente. Assim, tenho grande simpatia com as religiões de matriz africana, por seus rituais e pela musicalidade, principalmente; admiro muito os ensinamentos das filosofias orientais, particularmente do Budismo; acho interessantíssima a tradição judaica, bem como a compenetração islamita; admiro a verve dos pastores protestantes e também alguns aspectos da teologia católica; gosto de ler coisas sobre o Kardecismo, sobre o Xintoísmo, sobre o Santo Daime e já pensei em me converter à Igreja de Maradona; aprecio por demais as consturções melódicas das ragas indianas concebidas em louvor a Vishnu; por vezes canto ou recito mantras Hare Krishna; enfim, sou E.C.U.M.Ê.N.I.C.O. Almejo que tenham me entendido, por supuesto, porque entre as minhas melhores habilidades não está a de deitar ao papel bons desenhos, por isso, se forem eles necessários para vossa compreensão, terei de voltar outro dia com um amigo cartunista que então poderá me ajudar a elucidar a questão.”

Estou reproduzindo exatamente o que escrevi, porque tive o cuidado de copiar num papel, pois sabia que um dia isso me seria útil de outra forma.

Não é preciso dizer que nunca recebi um informativo sequer do tal centro cultural e, pensando bem, não estão tais noticiosos me fazendo falta.

Mas, voltando ao tema, como se explica a preocupação extrema de uma instituição sem caráter religioso com uma questão tão prosaica, a tal ponto de os caras praticamente me coagirem a declinar a minha profissão de fé? Evidentemente a partir de um certo momento estabeleceu-se uma espécie de guerra entre mim e o atendente, um querendo incomodar mais o outro. Entretanto, o fato de ser necessário o apontamento de uma religião, não se admitindo simplesmente a forma genérica “outra”, denota uma importância mais do que normal atribuída a algo que deveria ser tratado dentro da sua esfera, como uma questão de natureza pessoal. No instante em que a informação sobre a prática religiosa passa a ser algo essencial na identificação de uma pessoa, algo está errado. E isso está na base de todo tipo de intolerância que vemos diariamente na nossa sociedade. Ainda não conseguimos avançar o suficiente, na condição de sociedade organizada, para que as questões religiosas recolham a sua importância e influência aos limites estabelecidos pelas áreas de suas práticas e cultos. Não é sequer razoável que em pleno século 21 uma pessoa seja avaliada em qualquer aspecto da sua personalidade ou conduta em função da religião que pratica. E não estou falando apenas de escolhas pessoais no âmbito das amizades, mas de preconceito, segregação, retaliações, favorecimentos e coisas dessa gravidade.

Lembro da polêmica (uma das tantas) arrumada pelo Bisol, quando era Secretário de Segurança no governo Olívio Dutra, ao dizer que a maioria dos magistrados atuantes no Rio Grande do Sul era vinculada à maçonaria. Ele, que é um cara de rara inteligência e desembargador aposentado, explicou em detalhes o que quis dizer, mas mesmo assim os caras queriam a sua cabeça em bandeja de prata (olha a sombra da bíblia aí…).

Vamos refletir um pouco sobre isso, desviando brevemente para outra área polêmica: um cara entra com uma ação judicial contra um clube de futebol e na distribuição o processo vai para um juiz que é torcedor fanático e conselheiro deste clube. Terá o magistrado isenção para julgar a ação? Talvez sim, talvez não. E foi isso que o Bisol quis mostrar. Um juiz maçom, julgando uma ação em que figura como parte um seu confrade, conseguirá deixar de lado os compromissos assumidos na Loja? Possivelmente sim, mas possivelmente não. Como fica, então? Retomando os trilhos da discussão acerca da religião, imaginem como deve se sentir um sujeito que é reu em algum processo e, sendo conhecido ministro de determinada religião afro, no dia da audiência entra na sala e vê um grande crucifixo na parede, outro no peito do juiz, e, não bastasse essa configuração católica apostólica romana estatal, reconhece o advogado do autor da ação como um célebre frequentador de programas de debate na tv, sempre chamado a defender a ideologia da Igreja. Se por um lado ele deve acreditar na metáfora da justiça como uma deusa cega, por outro dificilmente não imaginará que tem pouca chance de ter sucesso na sua defesa. E por aí vai o trem da história, entre erros e acertos, rezas e velas.

Como eu disse no início, o tema é complexo e pode ser discutido amplamente sob diversos pontos de vista. De minha parte, entendo que a religiosidade, ou a negação dela, deve fazer parte das questões subjetivas, encaradas como estritamente particulares de cada indivíduo, manifestando-se de forma coletiva apenas nos espaços reservados para tal. Fora de tais espaços, que o fato do cara ser cristão, ateu, agnóstico, judeu ou o que quer que seja, não exerça nenhuma interferência na sua vida e na maneira como ele se relaciona com a sociedade.

*Publicado originalmente no blog Na Cidade de Cabeça pra Baixo, em 6/11/2013.

Padrão
Cultura, História, Música, Republicados

Podem sacudir as joias*

Hoje é Dia Mundial do Rock e me deu vontade escrever alguma coisa sobre isso. Pensei em falar sobre a história do rock, desde os spirituals, no século XIX, mas desisti porque tem gente muito mais habilitada pra isso. Mas, pensando bem, se for assim não falo mais de nada, porque sempre vai ter (muita) gente mais habilitada que eu pra falar sobre qualquer assunto. Mas falar o quê?

Já quase desistindo da ideia, meio que por falta de assunto, meio que por falta de paciência, eis que lembrei de um programa que eu ouvia antigamente pra manter o nível de irritação elevado, quando os caras largam a maravilhosa balada Angie, dos Stones, a fim de homenagear o dia do rock. Aí um “intelectual” do Continente de São Pedro larga algumas pérolas como estas: “Essa sim é a maior banda de rock de todos os tempos. O rock maldito, transgressor, nada daqueles engravatadinhos bem comportados dos Beatles. O Stones são o Raul Seixas e os Beatles são a Cely Campello.” Quando um cara que tem doutorado na Sorbonne – é o caso do sujeito em questão – dispara uma metralhadora de balas molhadas assim, de manhã cedo, sem cuspe, é que a gente vê o que a Academia pode fazer com determinadas áreas não exercitadas do cérebro humano. Aliás, o próprio Raulzito já provou isso, quando passou em dois vestibulares no mesmo ano só pra poder dizer pro sogro caretão: “Viu como é fácil ser burro?” Eu ainda tenho esperança que o cara esse tenha dito essas bobagens só pra honrar a trajetória polemista e manter a fama de mau. Se bem que… um sujeito que trabalha na rede do pastor não deve ser tão malvado assim…

Pra começo de conversa, se o Dr… tivesse uma pequena noção do assunto que estava abordando, saberia que o Raul tinha os Beatles como uma grande influência, ao lado do Elvis e do Chuck Berry (vejam a versão que ele fez de “Lucy in the sky with diamonds” no “Raulzito e os Panteras”) e que ele pouco ou nunca na vida falou nos Stones. Acho até que gostava dos RS, é bem provável, mas tem uma outra frase dele que ficou famosa e que diz assim: “os Beatles me deram a porrada”, referindo-se ao fato de ter aprendido com os Beatles como fazer as coisas no estúdio (lembro que o Raul produziu e compôs pra muita gente nos 70’s – Jerry Adriani e Leno e Lílian, por exemplo). Ou seja, ele era fã declarado dos Beatles, mas se curtia os Stones, não compartilhava…

Os Stones são uma puta banda de rock, sem dúvida nenhuma uma das melhores. O Keith Richards é provavelmente o maior criador de riffs da história da guitarra elétrica. O Mick Jagger canta muito e tem uma performance de palco única e espetacular. Os caras fizeram desde rocks incendiários, como Satisfaction, até baladas lindíssimas, como a já citada Angie. Quebraram tudo, muitas vezes literalmente, em shows antológicos. Estão na estrada há meio século, o que não é pouco, mesmo que seja só por $$$, como dizem as (nem tão) más línguas. Tudo isso e muito mais é verdade.  Mas e os Beatles? Os Beatles? Bom, os Beatles, eles…

MUDARAM O MUNDO!

Sim senhores, daqui a 1.000 anos alguém falará em Bach, Beethoven e Mozart, em John Coltrane, em Jimi Hendrix, em mais um que outro, e falará, ou melhor, ouvirá muito Ringo/John/George/Paul. Talvez alguém esteja se perguntando de onde eu tiro isso, se as musiquinhas não são mais do que um iê-iê-iê gostosinho (vão tirar satisfações da notável escritora Martha Medeiros, porque foi ela que disse isso há alguns anos), se as letras só contam historinhas de amor, se o Ringo nem toca muito bem (santa ignorância, batimão), enfim, se eles nunca fizeram um rock sujo, visceral, transgressor como os Stones? Essas atrocidades são ouvidas por aí, podem acreditar, e de “gente grande”.

Nos anos 60, a indústria fonográfica estava a milhão. As gravadoras tinham um esquema bem definido. Tinham funcionários responsáveis pelos diversos setores de criação de um disco. Havia os músicos de estúdio (ah, os baixistas da Motown…), os compositores, os letristas, os arranjadores, o artista que fazia as capas etc. Quando os executivos encontravam um talento, enquadravam o cara e trabalhavam no sucesso. Imaginem, então, o que passou pelas cabeças dos donos das gravadoras quando eles viram chegar um grupo de piás, dizendo que eles mesmos iam fazer as suas músicas, letras, melodias, harmonias, arranjos; eles mesmos iam tocar os seus instrumentos, cantar, enfim, eles iam ser uma banda, no melhor sentido do termo. O troço era tão louco que a Decca dispensou os Fab Four!

Bom, só a provocação dessa mudança no padrão já seria suficiente para deixar os Beatles eternamente no Olimpo do rock. Mas eles fizeram muito mais. Eles lançaram um Rubber Soul em 65, que mudou tudo e ainda dá uns nozinhos na cabeça de muito entendido por aí. Em 66, eles lançaram o Revolver e se retiraram do palco, outra coisa que ninguém pensaria em fazer. Aliás, nem hoje em dia uma banda abre mão de sair em turnê pra lançar um disco, ou, como o disco parece estar com os dias contados (será?), pra divulgar a própria banda. É preciso ter muita bala na agulha pra fazer isso. A partir daí veio toda a história da psicodelia, das letras nonsense, da capa do Sargent Peppers , do próprio Sargent Peppers, dos orientalismos Georgianos, da capa do Abbey Road (mas afinal, o Paul morreu mesmo?), do Phil Spector e sua Wall of Sound produzindo o Let it Be, e por aí afora.

Sobre a falta de um comportamento mais radical, o que pode ser mais transgressor que um cara encarar a realeza britânica num teatro e dizer mais ou menos assim: “O pessoal desses lugares mais baratos pode aplaudir, os demais podem apenas sacudir as joias.” E que tal fazer um concerto de despedida sem avisar ninguém, no terraço da gravadora? Transgressão musical? Botem lá no google: tomorrow never knows e depois me contem o que os caras dos 60’s (não) entenderam.

Bah, eu podia escrever um livro explicando os motivos por que eu digo e redigo que os Beatles são definitivamente os caras. Então vou só reafirmar a ideia que expressei antes: Rolling Stones é uma das maiores bandas de rock de todos os tempos, e merecem todas as homenagens no Dia do Rock, mas OS BEATLES MUDARAM O MUNDO.

Ah, e pra quem acha que acha que o Ringo toca pouco, abram um pouquinho mais as orelhinhas e escutem com alguma atenção a batida de Come Togheter ou de Helter Skelter. Se continuarem com essa opinião, podem continuar achando o Neil Peart o melhor do mundo…

Publicado originalmente no blog Na Cidade de Cabeça pra Baixo, em 13/7/2012.

Padrão